Pétala de Rosa
"Guarda estes versos que escrevi chorando como um alívio a minha saudade, como um dever do meu amor; e quando houver em ti um eco de saudade, beija estes versos que escrevi chorando."
Machado de Assis
Siga-nos no Twitter
 




 
 
 

Sobre o amor

 
O amor é um sentimento destinado à felicidade, tanto quanto ao sofrimento e também à doação. Se você ama (melhor seria dizer: se você é capaz de amar), não espere só grandes recompensas, respostas otimistas. Amar é apesar.
Amor é o sentimento que se instala a partir do primeiro tédio.

Amor não é o que nos atrai em alguém. Isso é atração, paixão, ou qualquer coisa parecida.
Amor é o que nos mantém unidos.
Quanto menos sentimentos exaltados, mais amor, união e durabilidade.
O amor é um sentimento embaraçado nas raízes fundas do sentimento.
Quem ama nem tem consciência dessas raízes. Teme-as. Prefere não vê-las. Porque vê-las será revelar-se. E revelar-se assusta.
O amor é também o sentimento misturado com rejeição, raiva, irritação, convivência, desinteresse, tédio, o vazio a dois, o sumiço da paixão e as emoções mais intensas.
Ele é tão grande, tão pleno, tão poderoso e incrível que resiste a tudo isso, inclusive as impossibilidades, estranho veneno que o alimenta. Mas isso é amor dodói. Amor saudável é apenas bom.
Você não deixa de amar apenas porque já não gosta igual ou não sente a mesma atração. Talvez só agora você comece a ficar maduro(a) suficiente para poder começar a amar.
Pessoas que se atraem à perdição talvez ainda nem começaram a se amar.. Enquanto apenas se atraírem, não alcançarão o amor.

Alcançar o amor tem tanto de renúncia quanto de alegria, felicidade ou glória. Sim, a felicidade pessoal é compatível com o amor. Infelicidade, jamais.

Mas amor é sério demais para almejar apenas felicidade. O amor visa a eternidade. A felicidade é apenas um caminho para ela.
Assim como é preciso alguma crueldade para viver. Assim como há sempre alguma agressão embrulhada em qualquer vitória, assim, também, a alegria precisa de alguma inconsequência. Sem esta, restará apenas a lucidez, que é sempre repleta de ''trágicos deveres''.

Libertando-nos da plena consciência, a inconsequência nos permite alguma alegria. Já felicidade é outro assunto. Está no campo do amor.
Felicidade ganha de alegria assim como amor ganha de paixão.

Mesmo quando venha nesta embrulhado.

Artur da Távola

 
Veja também:
Feliz páscoa meu amor...
Ciúme - Ultraje a rigor
A Impontualidade do Amor
Sem Você
Proibida Pra Mim - Zeca Baleiro
Meu Grande Amor
Quando dói o coração
 
Sobre o Portal Canais Acompanhe o Pétala de Rosa